Assistência domiciliar será o modelo de atendimento ideal para os Fisioterapeutas pós-pandemia.

O futuro incerto para muitos mercados não é o mesmo para os Fisioterapeutas. A pandemia revelou, mais uma vez, a importância da atuação dos profissionais da saúde no combate a crise sanitária. Mas, é preciso também planejar o futuro e, para isso, fizemos uma análise do possível futuro pós-pandemia.

O futuro incerto para muitos mercados não é o mesmo para os Fisioterapeutas. A pandemia revelou, mais uma vez, a importância da atuação dos profissionais da saúde no combate a crise sanitária. Mas, é preciso também planejar o futuro e, para isso, fizemos uma análise do possível futuro pós-pandemia.

A proposta deste artigo é refletir sobre o futuro da atenção domiciliar, que já estava em ascensão antes mesmo da pandemia e que agora se torna alternativa segura para prestar assistência à saúde.

Pontos importantes que fazem da atenção domiciliar um bom caminho para os Fisioterapeutas nos próximos anos:

  1. O tempo hospitalização do paciente é cada vez menor, inclusive operadoras de saúde já pagam pacotes. Quando o Hospital encaminha o paciente para casa mais rápido, ele otimiza os custos;
  2. Com a pandemia, o entendimento sanitário no Brasil será diferente, as pessoas vão priorizar a assistência domiciliar como medida preventiva de contaminação;
  3. É moderno pensar que a relação paciente x terapeuta é muito mais aprofundada quando existe interação no ambiente do paciente, gerando maior conexão e confiança para manter o atendimento com o profissional;
  4. A assistência domiciliar é, normalmente, melhor remunerada em comparação com o clínico. Essa concepção é fundamental pois atendimento domiciliar é a personalização do serviço e tudo que é personalizado, por essência, é melhor remunerado;
  5. A assistência domiciliar se aproxima da saúde da família, contribuindo para a importância do profissional e presença do fisioterapeuta no cotidiano da família;
  6. O fisioterapeuta não precisa abrir empresa para atuar na assistência domiciliar, pois se caracteriza como um profissional liberal;
  7. Os custos de adequação e estruturação sanitária do negócio são “infinitamente” menor que uma estrutura física de consultório ou clínica.

Esses 7 pontos são extremamente relevantes para os profissionais construírem um novo modelo de negócio. Para quem já atua, renovar o seu modelo; para os gestores de clínicas e consultórios, criar um novo modelo de receita para o negócio; e para os novos, uma possibilidade de iniciar a sua carreira.

Lembrando que o atendimento domiciliar deve seguir as diretrizes éticas e deontológicas da profissão, apesar da menor necessidade de estruturação do negócio, é fundamental seguir as orientações do Conselho.

Caso precise de ajuda, conte com a nossa consultoria. Fale pelo botão do Whatsapp descendo a tela para baixo.

Raphael Ferris é fisioterapeuta, gestor e fundador do Negócio Fisioterapia.

Leia também